Seguidores

28 julho 2011

O apagão cultural da Bahia ( Antonio Risério)

 
Transcrevo aqui um artigo bem pensado sobre a miséria cultural baiana escrito por Antonio Risério.

Batido por Pernambuco em todas as frentes, o Estado precisa reinventar-se como espaço de vanguarda que foi com Vieira, Glauber, Gregório de Mattos, Caetano.
Senão quem perde é o Brasil

Pernambuco? Fogo alto. A Bahia? Banho-Maria. Aquele foguinho brando, feito para cozidos, não para espetos. A verdade é que a Bahia está ficando para trás: em termos políticos, econômicos e estéticos. O cinema pernambucano, hoje, é superior ao que se faz na Bahia.

Na Bahia, pouco se vai além de delírios subjetivistas e fantasias narcísicas. E alguém vai comparar a “axé music”, uma desleitura “techno”, algo equivocada e meramente carnavalizante do passado do samba de roda, com o “mangue beat”, com sua carga de crítica social e dedo em riste para o presente? E isso para não falar do carnaval, que Pernambuco soube preservar o mel do melhor do seu, enquanto a Bahia se avacalhou. Na verdade, Pernambuco está batendo a Bahia em todas, da  produção econômica à criação cultural.

Esta é a comparação que posso fazer. Até poucos anos atrás, Pernambuco – ainda que com quadros políticos superiores aos da Bahia, da direita à esquerda, com Arraes e Marco Maciel – não passava de um engenho. A Bahia, diversamente, se industrializava. Tinha centro industrial e montava um polo petroquímico.

Hoje, o quadro está se invertendo, com Pernambuco saindo na frente, para se converter,em breve, na vanguarda econômica, social e cultural do Nordeste. Enquanto a Bahia ficou tempos esperando pelas bênçãos da Toyota, Pernambuco implantou o Estaleiro Atlântico Sul. Passou  a tocar adiante o Complexo Industrial Portuário de Suape – em Ipojuca, destino de um futuro ramal da Transnordestina
.
Suape é o signo maior da atual arrancada de Pernambuco. A mudança que isso está produzindo em Pernambuco é enorme. No plano social, tornaram-se trabalhadores industriais, de repente, pessoas que viviam da pesca ou trabalhavam no campo, com cortadores de cana-de-açúcar. 

É impressionante ver como existe hoje, em Pernambuco, imensa defasagem entre demanda e oferta de mão de obra. Suape exibe a carência pernambucana em termos de profissionais qualificados. Faltam engenheiros, topógrafos, carpinteiros, etc. Porque Pernambuco está dando passos adiante.

E vejam que, no momento, a maior obra de Suape ainda se acha em construção. É a Refinaria Abreu e Lima. Ela será uma das cinco novas refinarias que a Petrobrás projetou, visando a elevar a produção brasileira de petróleo. Mas não é só em Suape que coisas estão acontecendo. Veja-se Salgueiro, onde estão se encontrando duas grandes obras brasileiras: de infraestrutura logística – a Transnordestina – e de infraestrutura hidráulica, a transposição do São Francisco. E, no próprio Recife, vamos encontrar Porto Digital, um agrupamento de empresas de alta tecnologia, ocupando espaços em uma dúzia de prédios históricos, situados na área do antigo porto da capital pernambucana.

É claro que há coisas lamentáveis em curso. Na própria região de Suape, que não foi preparada para crescer na extensão e no ritmo que está crescendo. Há problemas de expansão desordenada.
De carência de infraestrutura urbana. De segurança pública. Junto com o crescimento econômico, crescem o consumo do crack (da pracinha de Ipojuca à praia azul de Porto de Galinhas) e os números da prostituição infanto-juvenil. Suape precisa de políticas públicas para enfrentar esses problemas. Mas não há dúvida de que é melhor fazer isso num lugar onde há trabalho para todos do que em espaços de pobreza e desemprego.
E Pernambuco conta hoje com um governo que tem competência técnica e descortino social para encarar o assunto.

Quanto à Bahia, o que penso é o seguinte. O governador Jaques Wagner ultrapassou Antônio Carlos Magalhães no campo político: vivemos, hoje, de forma muito mais cordial e civilizada do que tempos atrás. Conseguimos encontrar espaços de convívio e de conversas. Jaques Wagner deu, realmente, um outro estilo à política baiana. Mas falta ele superar Antônio Carlos no campo administrativo. Não acho que isso seja assim tão difícil. O que Antônio Carlos fez, na Bahia, foi uma espécie de modernização defasada, em termos urbanísticos e culturais.

O atual governador, se quiser, pode ir além disso. Pode ser de uma contemporaneidade absoluta. Para começar, demitindo seus secretários mais rotineiros e rastaqueras.

Mas o problema de Wagner não é meramente de segurança pública. É de reinventar a Bahia como espaço de vanguarda. Este foi um papel que a Bahia sempre desempenhou no Brasil, intervindo vigorosa e criativamente na agenda dos grandes debates nacionais, de Antônio Vieira a Glauber Rocha, de Gregório de Mattos a Caetano Veloso. É aqui que a Bahia se encontra anêmica, diminuída, sofrendo de algum tipo de anemia neuronal. É um lugar que precisa se energizar e se vitalizar.
Andar de braços dados com Pernambuco. Porque,  qualquer sorte, o Nordeste tem de ser visto como uma questão nacional. O desenvolvimento brasileiro depende do desenvolvimento da região. Do semi-árido, em especial. A pobreza cultural da Bahia, hoje, é real. Mas ela significa uma pobreza de todos nós. Não faz bem ao Brasil. A nenhum brasileiro.
*ANTONIO RISÉRIO
É POETA E ANTROPÓLOGO BAIANO. AUTOR DE AVANT-GARDE NA BAHIA (INSTITUTO LINA BO E P. M. BARDI)

5 comentários:

Laert disse...

Excelente artigo. Completamente pertinente.
Nasci no Recife mas moro na Bahia há 31 anos, por isso me declaro pernambaiano. Infelizmente não é mesmo só a miséria cultural que assola nossa cidade: violência, falta de educação, malemolência e complacência são catalisadores de um círculo vicioso.
O fundo do poço é apenas um estágio.
Adoraria ver de novo a Bahia (e também Pernambuco) como vetores de vanguarda no Brasil. Mas isso parece que ainda vai demorar bastante.

Armundo disse...

Risério tem de sobra os remédios que a Bahia tem insistido em não utilizar: lucidez, aversão ao cabotinismo, capacidade de análise além do que a turminha (ou os, com perdão da palavra, marketeiros, querem ouvir).

Lisandro Carvalho disse...

Sem dúvida alguma, é de fato um ótimo artigo!
Essa ressuscitação de ACM, nos trás um certo saudosismo que nos faz refletir diante da atual situação da nossa grande Salvador. Aquele ditado medíocre e pequeno(rouba, mas faz!) porém com um fundo de verdade, colocava Salvador numa evidência muito maior que a de hoje. Realmente vejo nossa Cidade regredir nas mãos de Líderes que governam apenas em proveito próprio, sem a menor preocupação com os problemas Sócias, Econômicos e de infraestrutura.
Até 2014, espero que surja um "Salvador da Pátria", para que não deixe a nossa Cidade ser devorada pela marginalidade, pobreza, lixo, buracos, corrupção e obras faraônicas. Ainda sonho em ver uma Cidade de todos, para todos.

Anônimo disse...

Querer que Jacques Wagner reinvente um espaço de vanguarda é um pouco demais. O homem não tem estofo pra isso.

Eduardo Luedy disse...

É no mínimo curioso que Risério não estenda sua crítica ao longo período do carlismo - do qual, é sabido, ele foi colaborador. Não aprovo o governo Wagner. Em áreas cruciais como saúde e educação a Bahia vai bem mal. Mas não posso dizer o mesmo da política cultural. Se antes tínhamos uma secretaria que tratava de turismo e cultura como se fossem uma coisa só, temos desde o início do governo uma atenção diferenciada à política cultural do estado. O maior e mais visível efeito desta política foi a descentralização dos recursos destinados à cultura, que antes ficavam na ordem de mais de 90% na cidade de Salvador! Claro que há problemas (o maior deles é que os recursos são parcos!). Mas, no geral, acho que estamos bem melhores que antes.
Não gosto de comparações também: a axé music nos deu coisa maravilhosas. O pior dela, contudo, era a ligação que se passou a estabelecer com aquela mesma política cultural do carlismo - com a qual Risério colaborou!