Seguidores

19 fevereiro 2010

Klaus Kinski: gênio ou louco?

Nikolaus Günther Nakszynski, alemão nascido em Gdanski (Polônia), é o nome completo do ator Klaus Kinski (1926/1991), que morreu aos 65 anos de um ataque cardíaco. Temperamental, de natureza maníaca e depressiva, infernizou, em vários filmes (Aguirre, Fitzcaraldo...), o diretor Werner Herzog, que tinha, com ele, uma relação de amor/ódio. A trajetória de vida de Kinski, porém, é tumultuada, tendo sofrido o diabo para a conquista de um lugar ao sol. Abandonado pelo pai, um cantor de ópera fracassado, passou a infância na mais profunda miséria. Klaus se alistou no exército nazista ("o único ambiente em que me senti bem", disse numa rara entrevista), mas, em 1944, no ocaso da Segunda Guerra Mundial, ele foi aprisionado pelos britânicos. Trancafiado, para driblar o tempo, divertia os companheiros de cela com shows de mímica e pantomima.
Terminada a guerra, dá início à sua carreira artística com excursões solitárias por várias cidades da Alemanha Ocidental a recitar, solo, poesias. Vagando por vários lugares, mesmo depois dos espetáculos recitativos, continuava a declamar pela noite e acaba por ser internado num hospital psiquiátrico para tratamento. Na minha opinião de leigo no assunto, creio que Nikolaus Nakszynski padecia de bipolaridade, da PMD (Psicose Maníaca Depressiva). Recuperado, Kinski resolve entrar para o cinema e, em 1948, participa de seu primeiro filme como ator: Morituri, de Eugen York - há um filme da década de 60 com este mesmo nome com Marlon Brando e Yul Brynner.
Espera três anos, desempregado, até que consegue outra chanche em Decisão antes do amanhecer (Decision Before Dawn, 1951), de Anatole Litvak e, mesmo assim, sem ter o seu nome nos créditos. Kinski trabalha, até perto de sua morte, ocorrida na California, em mais de 135 filmes. Aceita qualquer trabalho e é figura conhecida como coadjuvante de muitos filmes alemães até que surge a sua grande oportunidade: Dr. Jivago (Dr. Zhivago, 1965), de David Lean, no papel de Kostoyed. É descoberto pelos diretores dos westerns-spaghettis e trabalha em dezenas de títulos desse filão. A revelação, no entanto, vem em 1972, quando Werner Herzog o convida para Aguirre, a cólera de Deus (Aguirre, der Zorn Gottes). Durante as filmagens deste filme, Klaus tenta matar Herzog, mas, fascinado pela figura e pela personalidade do ator, convida-o para mais filmes de sua autoria: Woyzeck (1978), Nosferatu (1979), e Fitzcaraldo (1992), este último rodado na Amazônia com a participação de atores brasileiros como José Lewgoy e Grande Otelo. E ainda com Herzog, em 1988, Cobra verde e, em 1999, Herzog realiza um documentário sobre sua relação com Klaus Kinski: Mein liebster Feind - Klaus Kinski.
Kinski abandonou a mulher, deixando-a com as duas filhas, Pola e Nastassia (a deslubrante atriz Nastassia Kinski), com quem, fala-se, praticou incesto, bebedor excessivo e com péssimo gênio, atrasava-se durantes as filmagens e brigava com todo mundo. Em Cobra verde, deu um soco em Herzog e se envolveu com várias figurantes africanas.

5 comentários:

Mariana-pereira disse...

Me embrulhou o estômago um pouco, mas valeu a aula, professor Setaro.

Caio disse...

Ou os dois?

Mas a maior contribuição dele ao cinema foi a Nastassja.

André Setaro disse...

Klaus Kinski tem o seu maior momento como intérprete na versão que Herzog fez do clássico 'Nosferatu' (1922), de Murnau, em 1979. Está impressionantemente extraordinário como o vampiro cuja maior angústia existencial é não poder morrer e viver para a eternidade.

Caio: para se ser gênio é preciso uma boa dose de loucura. O homem normal, que compra abadá a prestação para se esbaldar na folia momesca soteropolitana, esta a verdade, nunca poderá ser um gênio.

O resto é silêncio.

Leandro Afonso Guimarães disse...

Em Nosferatu (1979), a cena em que Isabelle Adjani vê Kinski, inicialmente apenas pela sombra no espelho do banheiro, e depois presencialmente, é um absurdo. Pelo que me lembro, não há corte, não há movimento de câmera: somente a expressão de Adjani, o crescimento da sombra, e uma aula de cinema. Desde a interpretação de Kinski até, logicamente, a direção de Herzog - auxiliado por um fotógrafo mais que competente.

Jonga Olivieri disse...

Pouco sabia da vida privada (e louquíssima) deste excelente ator; embora, seu semblante não possa negar a sua loucura.