Seguidores

17 abril 2008

Romero e Rômulo: gêmeos nada cronenberguianos



Romero Azevedo e seu irmão Rômulo, gêmeos, viraram nome permanente de um prêmio do Comunicurtas, o festival de cinema de Campina Grande . O blog presta aqui uma homenagem a eles com esta insignificante postagem, porque Romero (Rômulo, conheci-o de vista e de chapéu numa jornada baiana perdida no tempo - e no espaço?) é um velho conhecido de décadas. O prêmio oficial do evento tem o nome da figura maior do cinema paraibano: Machado Bittencourt, pioneiro da cinematografia que se fez emergir na Paraíba. É o realizador do primeiro longa a cores paraibano: Maria Coragem (1977) na bitola de 16mm. Machado foi também professor do curso de Comunicação da UEPB (Romero também ensina cinema nesta universidade) e responsável pela criação da Cinética Filmes, primeira e única empresa cinematográfica paraibana direcionada para a produção nesta bitola.
Possuidor de grande sensibilidade e inteligência, faro único para sentir o bom cinema, Romero é um cinéfilo raro. Sua compreensão de cinema vai até ao ponto de saber o lugar onde sentou para ver determinado filme instalado nos arcanos de sua memória prodigiosa.
Na foto, Romero Azevedo com um brinquedinho para ver imagens. Parabéns, bicho, extensivo, este, a seu irmão, Rômulo.

9 comentários:

Romero Azevêdo disse...

Setaro, essa sua homenagem foi tão grande quanto a do festival de Campina Grande. Só não foi maior que sua generosidade.

Muito obrigado.

Romero (e Rômulo Azevêdo)

Jonga Olivieri disse...

Bom, não conheço o trabalho dos "Irmãos Azevêdo", mas, de qualquer maneira é sempre dar-lhes uma força, já que foram comentados por aquele que considero não apenas o herdeiro de Walter da Silveira, como também uma das maiores 'expertises' em cinema neste país.
Se o Setaro falou, já é um tipo de recomendação embasada e consistente, podem crer... brothers.

Anônimo disse...

o amante de cinema sonha
na poltrona e
acorda na cama mijado de
magia

ex.cinéfilo

Romero Azevêdo disse...

Caro Jonga, considero Setaro não só um herdeiro de Walter da Silveira mas, também, o maior crítico cinematográfico vivo da Bahia e um dos maiores do Brasil. Não por acaso o portal Terra o incluiu entre seus poucos articulistas. De quebra, Setaro é uma das pessoas mais elegantes e refinadas que conheci.
Quanto a você caro Jonga, já visitei o seu blog e recomendo a todos que gostam de textos inteligentes, bem escritos e sintonizados com o tempo presente.

André Setaro disse...

Os elogios me doem a espinha. Sinto-me culpado de ter sido um grande amante do cinema. E trocaria todo os meus parcos e arranhados conhecimentos por uma noite com a Brigitte Bardot dos anos 50 e 60.

Pin Hole disse...

Querido Setaro, Aproveito este espaço para comunicar a 5ª edição do Panorama Internacional Coisa de Cinema que acontecerá em agosto na cidade de Salvador/BA e que está com as inscrições abertas para longas e curtas-metragens, sem distinção das bitolas, até o dia 31 de maio para Mostra Competitiva. Já estão confirmadas as presenças de Bento Brant, como um dos jurados e Andrea Tonacci que lançará Serras da Desordem, ainda inédito em Salvador.

Jonga Olivieri disse...

Obrigado, meu caro Romero, pela força dada ao meu blogue.
Quanto ao nosso Professor Setaro, concordo plenamente, ser um dos maiores conhecedores de cinema que jamais conheci...

Stela Almeida disse...

Puxa vida, está parecendo um clube do bolinha, tudo bem que êsses meninos são arretados, mas cadê a maria coragem pra gente conhecer? Setaro, meu querido, eu te amo muito, sabia? êta que coragem!

Anônimo disse...

crítica hay-kay
balança
mas não cai

ex.cinéfilo