Seguidores

29 março 2008

Ganhou o "drops calado"

A pesquisa sobre a prática da comilança nos cinemas ofereceu um excelente resultado. A julgar por este, os leitores deste blog não a praticam nos cinemas como é hábito nos dias atuais os baldes de pipoca, os cheeburgueres, os copos de refrigerantes de 750ml. Cinema não é lugar de comilança e um filme deve ser visto em silêncio e com toda atenção, canso de dizer aqui.
39 pessoas votaram na enquête. Destas, 15 (38%) levam "no máximo um drop calado", o que é perfeitamente justificável e aceitável, como revela Jonga Olivieri (veja seu blog Pensatas: http://jongas.blogspot.com/), que nunca dispensou o drops Dulcora, sua companhia nas sessões de cinema, como diz: "Falar nisso, votei no "drops caladinho". E me lembrei que o Dulcora era uma delícia, mas só tinha um defeito. Aquele celofane fazia um barulho chato pra caralho. Mas, até hoje tenho saudades daquele drops" Devo confessar que também comprava o Dulcora nas arrumadas bombonières das salas exibidoras.
14 votantes (35%) fizeram questão de marcar que "cinema não é lugar de comilança". Considerando que o drops caladinho não é comilança, o fato é que, somadas as duas opções, 73% dos votantes se revelaram cinéfilos educados. Mas 4 (10%) marcaram a opção de que nada comem. Ótima também, pois o silêncio das mandíbulas é de ouro. 83% de boa educação, portanto.
Infelizmente há, como em toda regra, exceções. E 6 pessoas (que as sentencio como não-cinéfilas) marcararam o quadradinho de que "se enchem de baldes de pipoca". São aquelas que, sim, praticam, com a maior sem cerimônia, a comilança indesejada pelos que gostam de cinema. Coitadas!

4 comentários:

Jonga Olivieri disse...

Antes de mais nada obrigado pela força ao meu blog (aliás, atendendo a pedidos -- inclusive o seu -- postei hoje uma "Pensata de domingo").
Aproveito a ocasião para reafirmar que "baldes de pipoca", hamburgueres e refrigerantes são uma estupidez de pessoas que não respeitam o cinema. É um hábito de salas da era dos shoppings, em que muitos dos que os freqüentam um cinema, o fazem como se estivessem num Bob's, ou qualquer outro fast-food da vida.
Por isso votei no velho drops, um hábito degustativo que não incomoda os outros, principalmente hoje, quando as balas não são mais envoltas no incômodo celofane de outrora.
Acho que já comentei aqui, mas há pouco tempo fui assistir a um filme no Botafogo Praia Shopping (antiga Sears), e tinha um carrinho de pipocas dentro da sala, que só foi retirado depois dos trailers. Achei aquilo um absurdo. E conclui que, obviamente, trata-se de um "negócio da China".

André Setaro disse...

O administrador dos complexos Multiplex em Salvador revelou que se tem mais lucro com a venda de guloseimas do que com a dos ingressos para os filmes. É, realmente, um 'negócio da China' Para se ter uma idéia, a prática é do 'lucro indecente'. Um copo de refrigerante no 'fast-food' do shopping, que já é caro, custa 2,00, enquanto que a mesma quantidade de refrigerante dentro do complexo é vendida a 4,50. A pipoca é caríssima e, atualmente, os velhos saquinhos estão em desuso e deram lugar aos baldes. Estes baldes podem ser aproveitados, na minha opinião, para a lavagem posterior de cuecas e calçolas.

Omar disse...

Setaro, gostei muito da enquete. Lembrei de uma aula em que você falava sobre a utilidade dos baldes de pipoca. Dentre as possibilidades elencadas, a mais hilária, foi a utilização do objeto como lavador de cuecas. Viva o silêncio nas salas de cinema! Mesmo sabendo que isso é quase um sonho irrealizável na Salvador de novo Gabarito (quebra de gabarito combina com Shopping, que combina com prédio com nome “Coline du Chat”,etc e tal)

Infelizmente o hábito da pipoca vai além do negócio, já está entronizado de tal forma, que não creio que se altere sem educação doméstica. Tem Shopping em Salvador que, ao comprar o ingresso, é possível sair com seu pacotinho de pipoca a tira-colo.

Se só comessem seria menos mal. Os celulares tocam e, pior, são atendidos. O mundo acabou.

Saudade das aulas.

Um abraço.

Luiz Carlos disse...

Setarovsky grande e eterno mestre concordo com sua ojeriza à comilança no cinema. Lembro que comentamos sobre esse hábito varias vezes. A propósito escrevi sobre isso no meu blog "O Baiano Interativo no Cinema", só para te lembrar. Se quiser fazer uma visitinha tá lá ainda no www.chacais-sempre-espreitam.blogspot.com
Grandississimo abraço do seu fã
Luiz Goulart