Seguidores

08 fevereiro 2008

O pau que dá em Chico também dá em Francisco

Tuna Espinheira, velho de guerra, que acabou de finalizar (com Dolby) o seu primeiro longa, Cascalho, foi acusado por Walter Webb de aprontar em Andaraí, bela cidade do interior baiano onde rodou o seu filme. A mensagem de Webb, com seu costumeiro estilo machadiano, está em postagem abaixo. Já não queria mais ficar a martelar o caso Seqüestro/Revoada, mas creio que o apoio que recebeu é importante, e as acusações webberianas não podem ficar sem a devida resposta. O depoimento a favor do Velho é de Luiz Antonio Gerace (Chacra), presidente do Sindicato Interestadual dos Trabalhadores na Indústria Cinematográfica e do Audiovisual – STIC. Antes, porém, a mensagem de Tuna e, logo abaixo, o texto de Chacra.

Velho Andre: Mandei o depoimento do atual Presidente do Sindicato Interestadual dos Trabalhadores na Indústria Cinematográfica e do Audiovisual – STIC.
Ele foi o Diretor de Produção do filme CASCALHO. Como eu sou cioso das palavras quando escrevo, do mesmo jeito sou cioso da minha conduta ética e profissional, quando faço um filme. Acabei de receber este texto que, julgo eu, sem medo de errar, está acima de qualquer suspeita, de autoria de um profissional respeitado e Presidente de um grande Sindicato de trabalhadores do Cinema e do Áudio Visual do Rio de Janeiro.
Gostaria que você o incluísse no seu Blog, uma vez que é um atestado que não acirra a baixaria arquitetada pelo, não vou dizer o nome, outro. Vale lembrar que, nos bons e respeitáveis, contatos com a comunidade de Andaraí, fomos agraciados com uma inesquecível, indelével homenagem: “CASCALHO”, a mais nova e aconchegante, Pousada da cidade, foi batizada assim por causa do filme. Fico Aqui.
ABS. Tuna
De Luiz Antonio Gerace:
Prezado Tuna,
Independente da minha condição transitória, de ser o atual presidente do STIC. Antes de mais nada sou, e me orgulho muito de ser, um diretor de produção cinematográfico, formatado através dos tempos, dentro de um modelo brasileiro de fazer cinema. Neste sentido, gostaria de deixar patente, que não foram tantas ocasiões assim, como no caso da produção do ¨CASCALHO¨, em que pude exercer minha função em toda a sua plenitude. Respaldado que fui por uma equipe liderada por você, em que predominou, todo o tempo um clima ético-profissional, que fez com que não só eu, mas tambem os demais companheiros e companheiras da equipe, tivessemos a certeza de ter sido partícipes do resultado filmico, que esta produção pode oferecer hoje, não só para seus apoiadores, como tambem para nossas platéias.
Com um forte abraço,
Luiz Antonio Gerace (Chacra)
Presidente do STIC

2 comentários:

Marcão disse...

Isso é o que vocês falam. Vamos perguntar ao povo de Andaraí, onde vocês emprestaram as armas e objetos de cena e não devolveram tudo; isso sem falar na dívida deixada no bar do Kaká e outros.
Sair de uma cidade e ficar devendo dinheiro de pinga não dá. Isso atrapalhou bastante a nossa produção do REVOADA.

Vinicius Silva disse...

Vou mudar um pouco de assuntos nessa caixa de comentários querido professor, até porque, acho que o senhor também já não quer discutir muito mais isso.

Ao invês de opinar sobre a polêmica com o filme Revoada, deixo aqui uma dica para você, admirador da obra de Hitchock.

Saiu uma edição especial na Vanity Fair, que recria quadros do gênio com estrelas da atualidade. Deveras inmteressante. Deixo abaixo o link para que possa apreciar. Abraços e bom domingo!

http://community.livejournal.com/ohnotheydidnt/20148385.html