Seguidores

25 janeiro 2008

O chicote em ação



Ainda que poucos os comentários aqui no blog, estou a receber e-mails indignados em relação ao chicote dos amestradores, principalmente de pessoas que acham uma grande idéia a introdução dos famigerados preparadores de elenco. Aliás, a expressão é de Tuna Espinheira, esta do chicote, que, acho, caiu muito bem. Nada mais desnecessário, na minha opinião, do que a inclusão de preparadores de elenco numa produção cinematográfica. Estes são, como já disse, mas não custa nada repetir, verdadeiros sádicos com o chicote na mão, que tentam fazer uma espécie de psicanálise em grupo. Segundo um ator conhecido, cujo nome não vem ao caso revelar, o preparador de elenco é "um porre" e atrapalha muito em vez de ajudar, a deixar, sempre, os intérpretes extenuados. Um ator que passa por tal experiência sádica muitas vezes precisa ir, finda a filmagem, a um psiquiatra para pedir uma receita de remédios tarja preta. Porque não se discute tal desnecessidade nas milhões de mostras e festivais patrocinadas com o dinheiro público que abundam pelo país. Já repararam que em qualquer cafundó-de-judas tem, agora, um evento cinematográfico? Como a produção nacional é pequena, geralmente são os mesmos filmes que circulam. E há as mobílias de festivais, as mesmas pessoas que sempre são convidadas numa espécie de ação entre amigos: "Eu lhe convido e você me convida" Uma boa forma de ganhar dinheiro atualmente é o sujeito se tornar produtor cultural, abrir uma empresa, captar recursos, e fazer surgir um festival de cinema em sua cidade. Tem que ter certa capacidade administrativa.
As leis de incentivo fiscal ao cinema brasileiro, além de engessar os filmes, para os moldar ao gosto das empresas patrocinadoras, estão corroídas.O cinema nacional deveria ser ajudado pela televisão como é feito na Europa. A entrada da Globo somente veio a jogar mais lixo no mercado.
Romero Azevêdo, ilustre pesquisador e professor de cinema da Paraíba, postou um comentário, que, por pertinente, faço editar aqui: "Logo vai surgir num desses festivais que abundam por aí o prêmio de "Melhor Preparador de Elenco".É o fim da picada !" Ha, ha, ha, ha, e mais um ha! Eis o que digo. Mais do que fim da picada, meu caro, vai ser uma desmoralização para o festival que adotar tão nauseabundo prêmio. Mas como tudo é novidade, a imperar o modismo, caso seja adotado o infeliz prêmio que o seja projetado por um chicote. Nada seria tão convincente. Vale notar para o discurso dos preparadores do elenco. Além de espancar a mente e o corpo dos intérpretes, traumatizando-os muitas vezes, com a tal de "regressão à infância", já notaram como qualquer preparador de elenco fala demais nas entrevistas? Um papo que mistura psicanálise, direção de atores, e, em alguns casos, yoga. Sim, não há exagero no que digo. É a pura verdade. "Vergonha, Vergonha!", parafraseando Joseph Conrad em Corações nas trevas no "Horror, Horror!"
A imagem é de uma preparadora de elenco em ação.

3 comentários:

Romero Azevêdo disse...

Logo vai surgir num desses festivais que abundam por aí o prêmio de "Melhor Preparador de Elenco".
É o fim da picada !

Carlos Moura disse...

Professor,

Perfeito seu "post". Das letrinhas à imagem. Aliás, paradoxalmente, uma preparadora dessas eu gostaria de encontrar num set de filmagens...

Parabéns e continue lutando pelo nosso cinema.

Um abraço.

Gabi disse...

olá, professor!

=]