Seguidores

17 abril 2007

A sede e o pote vazio

Antes das pontes de safena, frequentava com muita regularidade os botecos, os bares, os botequins, e demais estabelecimentos do gênero em Salvador, Bahia, cidade enfartada onde vivo desinfartado (até quando?). A foto é de um encontro ocorrido há mais de dois anos, quando levantava copo com uma agilidade impressionante, ainda que, nesta foto, não esteja flagrado nisso, mas se pode ver, na mesa, um copo de cerveja pelo meio, que é o meu. Estou, como diz o francês, en train de faire, ou seja, prestes a tomar um gole. Goles já foram bebidos e, no flagrante da foto, converso com alguém, ou, melhor, escuto alguém. A cerveja é Bohemia, que gostava quando era feita em Petrópolis e a Antactica não a tinha comprado. A melhor cerveja atualmente para mim é a Heineken naquela garrafa verdinha. Gosto também da Carlsberg. A Brahma, que já foi uma grande cerveja - já a tomei aos litros - hoje é uma porcaria. Na foto, entre outros, o bloguista, de óculos escuros, apesar da noite,. Sora Maia, Gazineo, e, na ponta, pegando um guardanapo, o guapo João Mendonça, hoje renomado escritor.
Mas boteco mesmo bom é no Rio (dizem que Beagá e Porto Alegre possuem belos botequins). Antes de se tornar 'cult', gostava do Bacarense, no Leblon, do Manolo's, em Botafogo (Marquês de Olinda), do Fiorentina (Leme), Modengo (Copacabana), Cervantes, aqueles botecos do centro, etc. Beber é o melhor remédio para a monotonia da vida, mas, por bebedor excessivo, que não se contenta com poucas tulipas, estou evitando beber, considerando que sempre vou com muita sede ao pote.

2 comentários:

jonga disse...

Você falou de um boteco do qual fui freqüentador durante anos, que é o Manolo'sm na esquina da Bambina com Marquês de Olinda.
Além do mais tem pratos maravilhosos como a Paella de lá, que, sem frescuras é das melhores do Rio.
Pena que eu, como voc6e, por problemas de saúde (embora não exatamente os mesmos) estou meio impossibilitado de ir a esses locais... Xá pra lá...

André Setaro disse...

Se não me engano, o Manolo's fica perto do Skylight, um laboratório, e sempre fica cheio de gente que trabalha em cinema. O pessoal que, por exemplo, está montando algum filme, e que dá um 'refresh' no Manolo's, que tem um chopp nota dez. Saí deste boteco algumas vêzes, devo confessar, 'riscando', contendo mais chopp internamente do que o próprio barril. Beber é assim mesmo. É um processo. Há a necessidade de uma 'sentada', por falta de outra expressão melhor. E o chopp tem que ser farto, abundante. A comida pode ser coadjuvante, nunca, entretanto, o 'prato principal'. Comi um 'Churrasco Oswaldo Aranha' no 'Manolo's' que, até hoje, depois de passar por duas pontes de safena, ainda sinto o gosto de seu tempero, de sua majestade gastronômica.
Antes de morrer pretendo dar uma 'sentada' no Manolo's e sair de lá 'comme il faut'.