Seguidores

12 janeiro 2011

"O terror das mulheres", de Jerry Lewis

A lembrança que a maioria das pessoas tem de Jerry Lewis é a de um comediante das sessões da tarde da Globo há algumas décadas. Na verdade, Jerry Lewis tem várias fases em sua filmografia: a da dupla com Dean Martin, a das fitas solo dirigidas por Frank Tashlin, e a fase primorosa quando dirige seus próprios filmes a partir do final dos anos 1950. O que se percebe a partir de O mensageiro trapalhão (The bell boy), primeira obra autoral, é uma sucessão de obras-primas, a exemplo de O terror das mulheres (The ladie's man, 1961), O professor aloprado (The nutty professor, 1963), O otário (The patsy, 1965), O fofoqueiro (The big mouth, 1967). Os anos 70, ainda que participando de um ou outro filme, foram anos de sofrimento para o comediante, por causa de uma queda que afetou profundamente a sua coluna (e se viciou em analgésicos fortíssimos). Mas nos anos 80 ressurge magnífico, somente como ator e como ele mesmo, em O rei da comédia (King of comedy, 1982), de Martin Scorsese, para, em seguida, como autor completo, dar de presente a seus admiradores um obra-prima: Smorgasbord (1983), que aqui tomou o título de As loucuras de Jerry Lewis. 
O vídeo que apresento é de um momento sublime de O terror das mulheres.

4 comentários:

Jonga Olivieri disse...

Considero "O terror das mulheres" o seu maior filme. Embora nunca tenha assistido este "Smogasbord" citado por você como sua obra prima. Mas vou procurar.

André Setaro disse...

Uma de suas obras-primas, Smogasbord, porque Lewis, contrariando o conceito de obra-prima, fez algumas: este O terror das mulheres, O professor aloprado, e O otário.

pseudo-autor disse...

O Terror das mulheres reativou o meu termômetro nostálgico da época em que a sessão da tarde passava filmes de verdade. E Jerry Lewis é lendário!

Cultura na web:
http://culturaexmachina.blogspot.com

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

O Jerry Lewis é muito, muito bom. Gosto de todas as fases dele, mas me encanto principalmente com a primeira: a inocência sedutora da dupla Dean Martin-Jerry Lewis é muito interessante. Dean partiu para a carreira solo e se tornou um chato. Lewis continuou melhor ainda.
Abração

www.ofalcaomaltes.blogspot.com