Seguidores

18 outubro 2008

Setaro's Blog atinge 50.000 visitantes

Ainda hoje, a julgar pelo compasso de meu contador Bravenet, o blog deve chegar à marca nada desprezível de 50.000 visitantes, um estádio de futebol de razoáveis proporções, quase cheio. Estalebecido em fevereiro de 2004, a princípio no Blogger da Globo, somente em agosto de 2005 é que houve a transferência para o Blogspot - e agora tomei um susto quando fui acessá-lo para colocar aqui o link: a Globo não me dá mais acesso, porque, segundo diz ao tentar entrar, o antigo blog não era atualizado há mais de 90 dias. Fiz o back up deste Setaro's Blog, mas esqueci do outro. Pena. Desapareceu. Em todo caso, deixo aqui o seu endereço, pois quem tem conta na Globo talvez possa vê-lo: http://www.setaro.blogger.com.br/index.html).

A bem da verdade, em fevereiro de 2006, o contador ofereceu um problema e fui obrigado a zerar tudo, colocando um novo, este da Bravenet. Assim, os 50.000 visitantes que o blog está prestes a atingir, somente podem ser aferidos a partir da colocação do novo contador (que teria algo assim como 10.000), sem considerar o blog antigo da Globo, que vejo furtados seus arquivos por esta desalmada. Antes que este Blogspot queira me atingir (nunca se sabe o dia de amanhã) já coloquei todos os seus arquivos em regime de back up, graças à indicação de um colega connaisseur das coisas belas e dos perigos do espaço virtual.
A enquete sobre o freqüência como que se vai, hoje, ao cinema, deu tracinho em "Todos os dias", isto quer dizer, segundo os votantes, nennhum deles vai mais ao cinema todos os dias. Engraçado. Menino ainda, e de mesada curta, tinha condições de ir às salas de exibição todos os dias, quando não o fazia duas vezes. É que o cinema era outro e não havia suportes com os quais se pode atualmente alcançá-lo. Mas não naquelas condições, mágicas, tela grande, com gongo, luzes coloridas, cortina que se abria no início da projeção, etc. O preço do ingresso também era bem barato mesmo nas casas consideradas de primeira linha (algo em torno de 2 reais a inteira, quando o ingresso atual gira em volta dos exasperantes 16 reais. E havia os chamados cinemas de rua, com o preço da entrada ainda mais barata (1 real a inteira e 50 centatovs a meia). Na Baixa dos Sapateiros, onde se localizavam os poeiras, via o povo alegre a frequentar os cinemas. Mas nos tempos sombrios que vivemos, o povo já foi alijado das salas escuras, pois não tem condições mínimas de frequentar os complexos (Multiplex, Cinemark, Unibanco...). Mesmo as salas alternativas cobram caro. Um cidadão classe média, com a corda no pescoço, também não pode mais ir todo dia ao cinema. Vai, no máximo, se cinéfilo for, uma vez por semana ou espera um filme mais importante para vê-lo. Mas naquela boa época na qual iniciei a minha formação cinematográfica (meados dos anos 50) via tudo e qualquer porcaria era bem vinda ao meu apetite cinéfilico
"Vejo apenas os filmes mais importantes" foi a resposta mais votada (9, 31%). Votei nesta. Mas, por outro lado, "Restrinjo-me hoje ao DVD", "Uma vez de quinze em quinze dias" e "Uma vez por semana, empataram (4, 13%). E "Vejo o que baixo da internet" e "Apenas grandes filmes" (que não deveria ter entrado, pois meio repetição da vencedora) também se igualaram em número de votantes (2, 6%). "Não tenho condições de ir ao cinema" apenas uma pessoa votou, o que dá a entender que o povo não lê meu blog, o que é uma pena.
Se já não falei aqui, devo falar: meu blog foi eleito para A liga dos blogues cinematográficos (http://ligadosblogues.wordpress.com/). Um esforço que valeu, ainda que um blog torto, atropelado, e cheio de defeitos. Por tudo isso, ao terminar de digitar este post vou abrir algumas garrafas de cerveja.
A imagem é dos olhos de Kim Novak num fotograma em Vistavision de Um corpo que cai (Vertigo), do mestre Alfred Hitchcock.

2 comentários:

Jonga Olivieri disse...

Parabéns. E deixe a modéstia de lado, professor, porque este blogue, pelo que divulga, é digno de prêmios.

Sergio Andrade disse...

Parabéns pelos 50.000 acessos. Que venham os 100.000, 150.000, etc.
Abraço!