Seguidores

27 outubro 2008

Relembrando "Spartacus"

Considero Spartacus (1960), de Stanley Kubrick, o melhor épico da história do cinema, ainda que o diretor não tenha tido a oportunidade de concebê-lo na sua integridade, pois, tratando-se de uma produção da companhia de Kirk Douglas, a Byrna (nome em homenagem à sua mãe), o autor de A laranja mecânica somente foi convidado após a desistência de Anthony Mann, que entrou em conflito com o poderoso producer. Douglas, que já tinha trabalhado com Kubrick em Glória feita de sangue (Paths of glory, 1958), e admirado muito o seu trabalho, com a saída de Mann o convidou para assumir a direção, apesar dos protestos de alguns acionistas de sua empresa produtora, que consideravam Kubrick um imberbe para uma empreitada caríssima como Spartacus. O fato é que o filme, monumental, possui características kubrickianas na maneira de encenar, na composição do enquadramento (a câmera no chão com os gladiadores de corpo inteiro,etc), no sentido peculiar do ritmo, do timing, e da concepção de montagem (Laurence Olivier, como Craso, enquanto fala para sua tropa, tem, intercalando-a, Spartacus a falar para seus comandados em montagem paralela extremamente funcional). O melhor de tudo, porém, é a seqüência da batalha final, que somente poderia ter sido dirigida mesmo por um mestre como Kubrick, pois se assemelha, pelo impacto, pela força expressiva, à seqüência da batalha do gelo de Alexandre Nevsky (1938), de Serguei Eisenstein. Se, nesta, a partitura é de Prokofiev, a de Spartacus é de Alex North, músico especializado em grandes temas para cinema e que tem neste filme um de seus momentos de glória.

Filme de produtor, assim como ...E o vento levou é de David Selznick, Spartacus, ainda que comandado administrativamente por Kirk Douglas, este confiou na capacidade daquele rapaz e lhe deu carta branca para a concepção das grandes seqüências. Este imenso espetáculo, singular na história do cinema, saiu (há alguns anos) em edição especial cheio de extras em DVD, e pode ser considerada a superprodução hollywoodiana que melhor se conservou com o passar do tempo e, vista hoje, é como se o filme tivesse sido feito agora. A sensação que se tinha, quando do seu lançamento em 1961, aqui em Salvador, era de um filme avançado para a sua época em termos da sua concepção de mise-en-scène, deixando em segundo plano Ben-Hur e Os dez mandamentos, embora estes possam, também, serem considerados espetáculos primorosos dentro das fronteiras de seu gênero. Spartacus, no entanto, ganha de todos eles por sua magnificência, sentido de cinema pulsante, elenco inexcedível. E Laurence Olivier, como Craso, tem, aqui, um de suas performances mais eloqüentes.

Vi Spartacus, pela primeira vez, no velho cine Tupy antes da reforma de 1968. No já distante ano de 1961, quando, com 11 anos, quase que não conseguia entrar, pois, na época, o filme era proibido para menores de 14 anos. Assim, talvez meu entusiasmo pelo filme tenha vindo pelo impacto que provocou no adolescente que estava se formando como cinéfilo impertinente. Mas continuei, pela vida inteira, a ver Spartacus, indo assisti-lo onde estivesse passando. A última vez que foi exibido em cinema, creio, se a memória não falha, foi nos anos 70, no Tupy, em cópia esplendorosa na bitola de 70mm. Depois passou para a fita magnética, em horrendo full screen, e, agora, vem restaurado em edição que respeita a integridade de seu enquadramento, isto é, preservando o cinemascope original.

O fascínio que permanece em Spartacus se deve muito à contribuição de Stanley Kubrick como metteur-en-scène e, também, pela confiança que Kirk Douglas depositou nele. Produtor de visão, este dispensou a Kubrick a necessária liberdade para conceber o espetáculo, embora com algumas discussões e atritos por causa do temperamento do realizador de Lolita. Spartacus é um filme permanente que, se for ser sincero, o colocaria entre os 10 melhores filmes que já vi. Há, nestas listas de melhores, as listas afetivas e as protocolares, que procuram aferir a importância dos filmes no processo histórico da sétima arte. Posso dizer que após os 11 anos de idade, quando o vi pela primeira vez, naquele Tupy com o teto cheio de teias de aranhas negras, Spartacus permaneceu comigo, fazendo parte, portanto, de minha história de cinéfilo.

O cinema como expressão artística, vim a compreendê-lo após ver, imbuído de certa estupefação, O eclipse (L’eclise), de Michelangelo Antonioni, assistido num domingo pela manhã no Tamoio recém inaugurado (que substituiu o Glória após reforma infraestrutural). Naquela época, os filmes eram lançados às segundas e aos domingos, dez da manhã, havia as famosas pré-estréias. Foi numa delas que vim a conhecer o grande Antonioni, autor de uma trilogia indispensável e imprescindível: A aventura, A noite, e o citado O eclipse.
Mas estava falando de Spartacus...

7 comentários:

Jonga Olivieri disse...

Você me lembrou de coisas do passado que são dignas de nota.
Por exemplo, assisti "Os dez mandamentos" no então recém-inaugurado Ópera, com lugares marcados e os cambáu.
“A volta ao mundo em 80 dias”, vi no Vitória, na rua Senador Dantas (hoje em ruínas virou um estacionamento).
Já “Spartacus”, que concordo com você, a gente assiste até hoje como se fosse filmado agora, foi no velho, colossal e inesquecível São Luiz, no Largo do Machado. Naqueles bons tempos em que o Lamas ficava ali ao lado, tinha uma estação de bondes e a rua do Catete era estreitinha... êta, papo de velho... Mas vale!

André Setaro disse...

Associava, antes da avalanche multiplexada, do 'fast-food cinematográfico' imperante nas salas, sempre, o filme ao cinema, o cinema ao filme. Os grandes espetáculos hollwyoodianos, vi-os no majestoso Tupy: "Os dez mandamentos", "Ben Hur", "El Cid", "A queda do império romano", "Spartacus", "Dr.Jivago","...E o vento levou", etc.

Tenho um livro que me foi dado sobre os cinemas de Luiz Severiano Ribeiro. Fotografias dos cinemas. O São Luiz, em fotos dos anos quarenta, é de cair o queixo, e se ficar abobalhado.

Jonga Olivieri disse...

A realidade é que hoje (embora sejam tecnicamente quase perfeitas) as salas exibidoras são impessoais.
É difícil se lembrar onde vimos este ou aquele filme porque acho elas muito semelhantes, estandartizadas.
Já até lhe falei uma vez, mas vale repetir: a primeira vez que assisti "O mágico de Oz" foi no Excelcior, aí em Salvador. E olha, eu ainda era menino...

Mauro Copa disse...

Voce viu a batalha no gelo de King Arthur? Nao tem melhor, nao tem melhor!

Armando Maynard disse...

Setaro, muito bem lembrado no seu comentário, como antigamente havia uma ligação do filme com o cinema que se assistia , ficando isso gravado na nossa memória. Duas cenas me marcaram em Spartacus:O primeiro encontro(íntimo) com a escrava na prisão e no final quando o inimigo quer saber do grupo preso quem é Spartacus e todos se levantam dizendo "Eu sou Spartacus".Emocionante a lealdade dos companheiros.Um abraço,Armando(fetichedecinefilo.blogspot.com)(lygiaprudente.blogspot.com)

Rui Luis Lima disse...

Caro André Setaro!
Vimos este filme peça primeira vez nos anos sessenta no cinema Monumental, uma das catedrais do cinema em Portugal, hoje um Multiplex e na verdade nunca mais nos esquecemos dele. Trinta anos depois tivemos oportunidade de o rever num ciclo Kubrick na Cinemateca e mais uma vez fomos surpreendidos. O controle que Douglas impôs no filme levou a que anos depois cineasta e produtor virassem as costas um ao outro. (Basta ler a auobiografia de Kirk Douglas que mora aqui em casa, por sinal numa edição brasileira). Mas ainda muito recentemente tivemos a oportunidade de rever "Paths of Glory" e já ali se revelava toda a sabedoria do cineasta, por sinal a dirigir o Kirk Douglas.
Abraço cinéfilo
Paula e Rui Lima

Juninho disse...

Maravilhoso filme. Realmente merece destaque!

Parabéns pelo blog. Continue postando ;D