Seguidores

28 maio 2008

Pollack: cinema feito para o prazer



O câncer, implacável, fez desaparecer, segunda passada, Sydney Pollack (1934/2008), diretor americano possuidor de uma grande filmografia, ainda que irregular. Pollack é o tipo de realizador que faz bons e eficientes filmes sem, contudo, detonar, neles, uma poética singular, uma marca registrada que o faça um cineasta maior. Mas impossível não lhe reconhecer alguns êxitos. Pessoalmente, o seu melhor filme, no sentido afetivo e não crítico, é Meu amor de ontem (The way we were, 1973), com Barbra Streisand e Robert Redford, filme que se passa no período da caça às bruxas do senador Joseph McCarthy. Pollack, aqui, soube tratar o melodrama com finura, engenho e arte, delicadeza. Alguns críticos querem reduzí-lo a mero artesão, a um eficiente diretor dramático, mas, a se verificar a sua folha corrida cinematográfica, há a pescar obras que estão bem acima da média, a começar mesmo de um de seus primeiros filmes: Esta mulher é proibida (This property is condemned, 1966), com Natalie Wood, Robert Redford, o o western ecológico Mais forte que a vingança (Jeremiah Johnson, 1972), com, novamente, Redford. Gostava de se associar a um ator ou atriz e fazer star vehicule (Redford, Streisand...). Em 1968, um drama intenso, cuja ação transcorre na época da Depressão, fez notar em Pollack um diretor afinado com o contemporâneo em A noite dos desesperados (They shoot horses, don't they?, 1969), porque há, neste filme, uma espécie de paráfrase entre a Depressão dos anos 30 e a depressão (mal estar da civilização) da sociedade americana na década de 60 em meados de seu decurso. Trata-se de um concurso infernal de danças no qual as pessoas que se candidatam literalmente morrem no salão de tanto dançar na disputa pela reta final para ganhar alguns trocados a fim de matar a fome. Jane Fonda tem neste filme um dos melhores desempenhos de sua carreira - talvez seu Oscar por Klute, o passado condena, tenha sido um prêmio atrasado para They shoot horses, don't they?
Outro filme de Pollack que gosto imensamente é Entre dois amores (Out of Africa, 1986), com Meryll Streep, Robert Redford, que se passa na África com partitura admirável de John Barry. Pelo visto, não se pode ignorar assim Pollack ou remetê-lo a um rótulo simplista de mero artesão. Ele foi mais do que isso. E há um thriller que marcou quando do seu lançamento: Três dias do Condor (Three days of Condor, 1975). E a comédia Tootsie, com Dustin Hoffman? Pollack sabia que estava fazendo produtos para o mercado, mas tinha uma competência invulgar para dar ao espectador o prazer do cinema construído dentro de suas convenções clássicas, a exemplo de A firma, baseado em best-seller de John Gisham. Gosto também de um rigoroso thriller que fez em 1974: The Yakuza, com o grande Robert Mitchum. Não é qualquer filme, convenhamos.
Mas não vou fazer neste post uma prospecção filmográfica. Apenas lembrar Pollack pela sua morte e lhe dar o valor que merece. Nunca esteve à altura de nomes mais artísticos, por assim dizer, como Robert Altman, os fratelli Coen, Scorsese, Coppola, Clint Eastwood. Faltava-se um universo ficcional próprio e uma marca registrada, um estilo fecundante que viesse a irrigar um mundo particular que lhe era inexistente. Mas sabia, com eficiência dramática indiscutível, dar vida a um roteiro, fazê-lo filme, emocionar e divertir. O cinema, para Pollack, era, antes de tudo, um espetáculo.

3 comentários:

Jonga Olivieri disse...

Como não tenho a filmografia de Pollack na cabeça, você como ‘expert’ em cinema tem muito mais informações... sempre.
Surpreendo-me aos saber (ou seria re-saber) de alguns desses filmes que nem mais associava o nome ao autor, como “The way we where”, para mim uma obra-prima do cinema e uma análise de toda a sociedade estadunidense, da culpa reinante à época em que foi filmado, aquando os “valores do macartismo” começaram a ser questionados pra valer no seio de suas origens.
“O dia do Condor”, que não mais lembrava ser dele. Ou mesmo “Jeremiah Johnson”, outra obra-prima, um western típico tão atípico, uma contradição em sua essência.
Pollack deixou sua marca. E, malditos sejam os que o queiram transformar em artersão (como um dia o quiseram com Hitch), porque autor foi a sua designação. Com muita honra!

Jonga Olivieri disse...

Mais uma votação complicada. Ufa! A obra de Sidney Pollack é, com algumas excessões (que não estão aqui listadas) sugestiva e importante.
Mas o fato é que ainda ontem, no final da noite lasquei meu voto em "A noite dos desesperados", por ser um filme que retrata a sociedade estadunidense e o "desespero" competitivo inerente ao seu vazio em busca da evidência que o capitalismo obriga as pessoas a disputarem no medíocre dia-a-dia de suas insignificâncias.
Mas, confesso, tive algumas dúvidas atrozes em função de outros filmes memoráveis que fazem parte da sua lista.

Romero Azevêdo disse...

Sobre os filmes de Pollack fico com “A noite dos desesperados” que vi no Cine Rian em Copacabana no século passado. O filme conserva na montagem a estrutura narrativa da novela de Horace McCoy e o mesmo título também, “They shoot horses, dont they ?”. A tradução brasileira, lançada pela Globo antes de ser comprada pela Globo, é de Erico Veríssimo( tenho a segunda edição, de 1969). O grande lance é o flash-for-award, o contrário do flash-back, só que empregado com um toque de suspense que mantém o interesse até o fim. No livro há um jogo gráfico interessante, as letras vão aumentando nos títulos que separam os capítulos. O primeiro, com a letra bem miúda, diz: “Levante-se o réu”; o último toma toda a página onde está escrito: “...Que Deus tenha piedade de vossa alma...”
O filme me impressionou bastante, e ainda me impressiona, pena que não exista em DVD( ô mercadinho estúpido esse). Sobre Jane Fonda você disse tudo, registro também as excelentes performances de Gig Young e Red Buttons.
Pollack foi um grande autor que teve a sorte de fazer filmes com orçamentos confortáveis sem prejuízo da arte.
É isso.