Seguidores

01 janeiro 2008

Minnelli, aperitivo para começar o ano



Hoje, primeiro de janeiro, início gregoriano do ano de 2008. Para começar, meu DVD quebrou, não consegue ler mais nada. Mas já mandei pedir, via internet, outro aparelhinho, que deve chegar, a considerar os feriados, daqui a três dias. Mas nesta semana vi, pela tv por assinatura, A cidade dos desiludidos (Two weeks in another town, 1962), do grande Vincente Minnelli, com elenco magistral: Kirk Douglas, Edward G. Robinson, Cyd Charrise, a belíssima Rossana Schiaffino, Claire Trevor, George Hamilton, Daliah Lavi, entre outros notáveis. Filme sobre cinema, o seu fazer, os labirintos da indústria cinematográfica. Douglas faz um ator em decadência que aceita emprego de assistente num filme rodado na Itália Minnelli é um artista na expressão da palavra e se fica assombrado com a sua capacidade de se expressar, de pensar cinematograficamente, a sempre conferir a sua mise-en-scène uma espécie assim de toque de Midas.

Vi A cidade dos desiludidos há muito tempo na tela grande de um cinema soteropolitano e me ficou na memória. A visão desse filme me fez acreditar em 2008 por incrível que pareça, ainda que a visão ácida e amarga de Minnelli da indústria. Tem pontos de contatos fortes com Assim estava escrito (The bad and the beautiful, 1953) que é, também, uma obra assombrosamente envolvente. Trata do cinema e, no seu elenco, também se encontra Kirk Douglas ao lado da estrelíssima Lana Turner. Poderia até considerá-lo uma espécie de adendo a The bad and the beautiful. Há uma cena na qual Douglas, sentado numa sala de exibição, assiste a Assim estava escrito numa alusão explícita a esta obra que é, sob todos os aspectos, de uma dignidade artística acima da média. A primeira é em preto e branco, mas A cidade dos desiludidos, em cinemascope e metrocolor. Two weeks in another town é sobre o amor e o ódio no universo do cinema.

Fica-se ressaqueado após a contemplação de Two weeks in another town. A ressaca por causa da beleza que emana de sua mise-en-scène. E fica-se a pensar: que falta imensa faz Minnelli ao cinema contemporâneo, cuja magia é fabricada industrialmente, pelos efeitos especiais, pelos truques tecnológicos, enquanto a magia de Minnelli vem de seu artesanato, de sua maneira toda especial de construir um espetáculo cinematográfico. Quem, caso não sofra de dementia precox, pode ficar indiferente a Gigi, A roda da fortuna, O pirata, Agora seremos felizes, Deus sabe quanto amei, entre tantos outros. Destacaria um Minnelli que, para mim, é uma comédia especialíssima: Papai precisa casar (The Courtship of Eddie's Father,1963), com Glenn Ford, Shirley Jones, Stella Stevens, Dina Merrill, Ron Howard (sim, que viria a se tornar diretor, mas aqui ainda era um garoto), Jerry Van Dyke. Ford é um viúvo em Nova York cujo filho acha que precisa casar. E surgem três belas pretendentes: Stella, Dina, e Shirley. O problema é escolher uma delas.

Em 1968, quando o filmusical já não encantava multidões (basta dizer que, na época de Woodstrock, a Fox foi à falência por ter produzido Hellô Dolly, de Gene Kelly, com Barbra Streisand, que estava no auge depois de seu Oscar de melhor atriz por Funny Girl), Minnelli tinha um projeto muito acalentado: o de filmar Say it with music, com um elenco estelar: Sophia Loren, Brigitte Bardot, Julie Andrews, Ann-Margret e Fred Astaire, com roteiro de Betty Comden e Adolph Green (os mesmos de Cantando na chuva). A produção de Arthur Freed, talvez o maior produtor de musicais de todos os tempos. Coreografia de Bob Fosse. No entanto, como escreveu Ruy Castro no seu imprescindível Um filme é para sempre (Companhia das Letras): "Mas o ano era 1968, e, em Hollywood, Minnelli e Freed já valiam menos que qualquer jovem cineasta udigrudi com restos de macarrão nas barbas."

3 comentários:

Stela Almeida disse...

Ruy Castro, organizador de Um filme por dia, lembra, também, que Moniz Vianna no período de 1965 a 1969 à frente do Festival Internacional do Filme trouxe diretores como Fritz Lang, Vincente Minelli, Josef von Sternberg, Roman Polanski entre outros. E ainda comentando sobre Minelli, traz uma crítica de A roda da fortuna, produzido por Arthur Freed e estrelado por Fred Astaire e Cyd Charisse,em 1953.

Onde andará meu prezado professor?

Jonga Olivieri disse...

Minelli foi um mestre do cinema. Principalmente pelos seus musicais. Obras como "O pirata", ou "Um americano em Paris" são inconfundíveis até hoje como obras-primas sendo assistíveis (com prazer) como se fossem atuais. E o são.

filomeno2006 disse...

Rossana, prorompente avvenenza