Seguidores

19 março 2006

A morte da cinefilia


Quando perguntado, em Tiradentes (cidade histórica de Minas Gerais na qual se realizou em janeiro passado uma mostra de cinema), durante o debate da crítica, por que tinha parado de escrever, José Carlos Avellar (que escrevia quase todos os dias no 'Jornal do Brasil' da boa época), respondeu: porque o cinema acabou. A cinefilia não existe mais, disse ele. Ela começou por volta de 1910, com a implantação das salas fixas nas cidades (antes os cinemas eram restritos às feiras, e ambulantes, salvo algumas exceções) e fez uma geração que vai até 1930, considerando que a geração se forma num período de 20 anos. A segunda geração de cinéfilos começa em 1930, e vai até 1950, quando tem início a terceira e última geração. Depois desta, não existe outra. O aparecimento da televisão, de outras formas de laser, do automóvel, a maior liberdade de locomoção, entre outros fatores, determinaram, segundo Avellar, a morte da cinefilia.

Por cinefilia, ele compreende que o cinema funcionou como a principal fonte de diversão e de laser para uma imensa platéia fiel e habitual. Realmente, os números de salas foram drasticamente reduzidos, e para se ter, por exemplo, a mesma quantidade de casas de espetáculos cinematográficos que se tinha em 1958, seria necessário que Salvador possuísse em torno de 150. A maioria das pessoas ia aos cinemas diariamente. Penso em meus parentes, tios e primos mais velhos, que iam todas as noites às soirées. Quem freqüenta cinema atualmente é o jovem, o adolescente, evidentemente com as exceções de praxe. O adulto dificilmente vai a uma sala de exibição.

A palestra de José Carlos Avellar - com a qual concordo plenamente e é um assunto que já vinha pensando há tempos - deixou estupefato o público numeroso que se encontrava na platéia. E como se explica a existência de tantos festivais, de sites que se dedicam ao cinema, tanta badalação em cima do Oscar, etc? São manifestações localizadas e pontuais, respondeu Avellar. Não diz respeito ao universo geral das pessoas. Os eventos, por exemplo, são destinados a uma elite, assim como é uma elite que freqüenta os chamados cinemas de arte.

A dolarização, perversa, também contribuiu. Quando ia à Baixa de Sapateiros, ao Jandaia, ao Aliança, ao Pax, cinemas que passavam programas duplos ou triplos, via o povão nas salas exibidoras. Os ingressos eram baratíssimos.

É um assunto que pretendo explorar, este da morte da cinefilia. As pessoas, antigamente, liam ávidamente revistas como Cinelandia e Filmelandia, que falavam dos filmes lançados e da vida dos atores. O interesse pelos astros e estrelas foi substituído, hoje, pelas celebridades das novelas da Globo e cantores, etc. Tinha um álbum de figurinhas, Ídolos da Tela, que foi um sucesso, um verdadeiro fenômeno.

Peter Bogdanovich, crítico renomado americano e também cineasta (Esta pequena é uma parada, A última sessão de cinema, entre outros), conta que Orson Welles lhe disse que o cinema morreu em 1962 e que o opus final foi O homem que matou o facínora (The man who shoot Liberty Valance), de John Ford. Surpreendido com o dito, Welles lhe acalmou, afirmando que a idade de ouro do cinema se localizou entre 1912/1962, sendo, portanto, sua fase áurea, maior do que a da Renascença que, segundo o realizador de ‘Cidadão Kane’, ficou em menos de 40 anos enquanto a do cinema alcançou 50.

Muita gente fica assombrada quando se diz que o grande cinema morreu. Na verdade, o cinema enquanto cinefilia, conforme analisou bem José Carlos Avellar, e empregando um termo corrente, já era. O que existe, hoje, é uma produção audiovisual relevante, mas localizada em focos isolados, sem a universalidade da cinefilia. O cinema, em sua idade de ouro, atingiu gregos e troianos, ricos, pobres e remediados. Gustavo Dahl, ano passado, no seminário internacional que aqui se realizou, disse que antigamente o cinema era um meio de comunicação de massa, mas, na sociedade contemporânea, é um divertimento de elite. Mas e a profusão de cinemas alternativos, que são chamados, erroneamente, de ‘cinemas de arte’? Apenas ratificam a morte da cinefilia, pois não passam de focos localizados.

O ir ao cinema hoje, já o disse, aqui, várias vezes, é muito diferente do ir ao cinema de antigamente. Vai-se ao cinema na maldita contemporaneidade como uma etapa do processo de shoppear. Não existe mais uma preparação para ir ao cinema, uma programação explícita ou tácita. Antes, o cinéfilo (que não existe mais) pensava: segunda vou ao Guarany ver Da terra nascem os homens, logo cedo, na primeira sessão, às 14 horas. Atualmente, vai-se, simplesmente, aos shoppings, podendo-se, ou não,
pegar um cineminha.

2 comentários:

Marcelo Miranda disse...

Setaro, realmente o pensamento é relevante e muito verdadeiro. Raríssimas são as vezes em que essa nossa elite se levanta exclusivamente para ir ao cinema, e mesmo que o faça é sempre necessário haver uma "compensação" - passear no shopping depois, ia na casa de alguém, etc etc. Não que isso seja condenável, mas vê-se APENAS isso.

Agora, hei de discordar da sua afirmação tácita de que o cinéfilo não existe mais. Existe, sim, aos montes (mas não em número tão significativo quanto deveria), gente que se liga na programação semanal das salas e bola roteiros mirabolantes pra pegar todos os horários, evitando ao máximo deixar qualquer filme passar incólume. Digo isso, bom, porque sou um desses (só que um cinéfilo metido a crítico). Mas sei de quem seja assim, também. Não desanime, porque há focos de salvação! :-)

Anônimo disse...

Very cool design! Useful information. Go on! where do i download cybersitter remote control utility Auto alarm codeperfect Britax jogging stroller Peugeot compressor 125 nude teen planar tvs ebay car ezway stop smoking alarm accessories car alarms Inexpensive airline flights uk dodge ram tonneau covers Ultram recreational