Seguidores

13 novembro 2011

Cineastas baianos conversam com Jaques Wagner


Recebi uma mensagem do presidente da Associação de Produtores e Cineastas da Bahia (APCB) na qual contém a carta dirigida pelos realizadores baianos ao governador Jaques Wagner e um relatório da reunião escrito por Olavo. Seguem abaixo os dois textos como os recebi. E abrindo aspas:

Salvador, 9 de novembro de 2011
Excelentíssimo Senhor Jaques Wagner
Governador do Estado da Bahia Senhor Governador:

A Associação de Produtores e Cineastas da Bahia - APCBahia, aqui representada por cineastas e produtores, inicialmente manifesta o agradecimento por sua gentileza em nos receber neste dia. Consideramos este encontro por demais oportuno, visto que estamos vivendo um momento histórico. Quatro filmes baianos estão sendo exibidos simultaneamente em salas do circuito comercial na Bahia e no Brasil, além de vários outros circulando em festivais nacionais e internacionais.

A nossa vocação para o cinema vem se consolidando ao longo de décadas, onde foi construída uma significativa filmografia, que precisa ser mais conhecida e valorizada. Em 10 anos produzimos 32 filmes longa metragem. Esta frondosa lavra, que vem obtendo tão ampla receptividade de público, crítica e premiação em festivais, precisa de um apoio mais intenso do Estado para manter uma continuidade e ampliar seu desenvolvimento. Não podemos mais voltar aos tempos dos filmes “bissextos”. Compreendemos o audiovisual como um segmento com alto potencial de comunicação e de forte impacto econômico no mundo. Mas, é sobretudo o cinema que lhe dá o fundamento de linguagem e investe em abordagens não convencionais, na busca constante de processos de identificações e interatividades, fatores de suma importância na discussão de problemas relacionados às questões culturais, comportamentais, tecnológicas e ideológicas. O cinema se desenvolve a partir do discurso político dessas contradições levando personagens e situações ao furacão existencial do cotidiano numa época onde intensas transformações acontecem na vida de jovens em busca de novos paradigmas. Trama de utopias revolucionárias no mundo das idéias e das práticas. É através do cinema que (re)escrevemos a nossa cultura na sua destinação histórica de universalidade e (re)ligamos os nossos costumes mestiços com as vertentes culturais das nações e dos povos fundadores, provocando novos encontros, novos conflitos, novas soluções e o consequente surgimento de novos signos culturais. E para isso, faz-se necessária cada vez mais uma política de fomento à produção de filmes, da preservação da nossa memória, das promoções de mostras e seminários reflexivos sobre o nosso cinema. O cinema é uma legitima expressão artística e cultural do nosso povo, mas também um instrumento destacado na cadeia produtiva da economia estadual. O cinema carrega consigo toda uma vertente econômica, sendo capaz de gerar emprego, renda e ser um dos mais eficientes canais de difusão da imagem da Bahia para o Brasil e o Mundo. Com isso atraímos investimentos, turistas e negócios, que significam recursos financeiros para o Estado, fortalecimento do mercado interno e a consequente ampliação da arrecadação tributária. Em qualquer lugar do mundo onde for exibido um filme baiano, a imagem da Bahia estará despertando interesses: políticos, econômicos ou culturais.Reconhecemos que as mudanças operadas na política cultural baiana nesses últimos cinco anos representam o primeiro impulso no sentido de retomar o contato do Estado com as forças criativas profundas que caracterizam a nossa história. Mas, por outro lado, a nossa atividade vive em permanente insegurança na medida em que a dependência de editais e programas de fomento cujos valores são decididos a cada ano impedem a cadeia produtiva de planejar suas atividades e dificultam a comercialização e difusão dos filmes realizados. Por conta disto, apresentamos como uma das nossas principais reivindicações a implantação de Editais de cinema, como a mola mestra propulsora de uma política para o audiovisual que necessita dar suporte à continuidade de produção de filmes longa metragem na Bahia. Queremos Editais de cinema que incorporem recursos para as etapas iniciais de realização (pesquisa, roteiro e elaboração do projeto), produção (execução do projeto), finalização (complementação de longas) e distribuição. Isso necessariamente irá fortalecer o mercado estadual para profissionais de cinema em todas essas áreas. E consideramos fundamental que sejam adotadas as providencias adequadas para introduzir na legislação ordinária do Estado, a obrigatoriedade de Editais anuais, garantindo a continuidade e renovação permanente do cinema na Bahia. Queremos Editais como Politica de Estado, não politica de uma gestão, de secretário ou governador. Assim como é indispensável a criação de marcos legais que contemplem as especificidades do campo da cultura e que regulem o fomento ao setor audiovisual, de modo a favorecer a sustentação da atividade para as empresas produtoras locais. Através de Editais dos mais diferentes elos que unem a carpintaria da construção cinematográfica, o cinema brasileiro desde 2003 vem experimentando um novo ciclo criativo e vigoroso. Na Bahia, mesmo tendo sido lançados apenas cinco Editais nos últimos 13 anos, a produção local vem se destacando nacionalmente. A consolidação dos Editais anuais, a partir do início de 2012, muda qualitativamente este quadro, com o inevitável crescimento da nossa produção baiana. Para nós, os Editais são instrumentos estimuladores, democráticos e confiáveis. Acreditamos que adotando os Editais anuais de cinema, definidos em lei, como centro de uma Política de Audiovisual na Bahia, a partir deles outras ações e qualificações poderão se agregar no entorno, como o estímulo a produção de eventos sobre cinema, a criação de uma Revista de Cinema, a implementação de um Programa de Difusão de Filmes e de um Circuito de Exibição de Filmes Baianos dentro e fora da Bahia, a estruturação de núcleos que deem suporte as produções cinematográficas, a formação de mão de obra qualificada para o mercado profissional, a formalização de convênios entre o governo da Bahia e instituições baianas e nacionais buscando uma maior abrangência na captação de recursos para a produção e difusão do cinema na Bahia etc. Governador, queremos que o Senhor se aproxime do cinema baiano e o eleja como uma das prioridades estratégicas do seu governo. Precisamos de Editais anuais, definidos em lei. Queremos seu envolvimento direto na formalização de convênio entre o Governo da Bahia e instituições como Ancine, Petrobras, CHESF, FIEB, Polo Petroquímico, Polo de Informática etc, objetivando a injeção de recursos na produção e difusão do cinema na Bahia. Queremos também seu apoio e intermediação entre as Secretarias de Cultura, Planejamento, Turismo, Educação, Comunicação e Indústria & Comércio, para que possamos construir de forma transversal, apoios e suportes ao fomento do cinema baiano. Por fim, desejamos exibir filmes baianos para o Senhor e consideramos muito importante a sua presença nas nossas pré-estreias, sentimos falta disto, pois sua presença amplia a dimensão simbólica do cinema baiano. Isso fortalece nosso cinema. Afinal, a imagem da Bahia também está no cinema. Associação de Produtores e Cineastas da Bahia (APCBahia)

Jorge Alfredo Guimarães

Presidente

Relatório da reunião da APCBahia com o Governador Jaques Wagner

A reunião na governadoria começou as 17h 55. Além do governador Jaques Wagner, estavam presentes os representantes da APCBahia: Jorge Alfredo, Sylvia Abreu, Antonio Olavo, Edgard Navarro e João Rodrigo. Pela Secult estavam o secretário Albino Rubim, Sofia Federico, Nehle Franke e Fátima Froes.

Jorge abriu a reunião falando que há muito tempo desejávamos ter esse encontro com o governador e nossa expectativa é muito positiva, por conta disso estar ocorrendo em um momento muito especial que estamos vivenciando no cinema baiano, com a exibição simultânea de quatro filmes nas salas do circuito comercial: Filhos de João, de Henrique Dantas, Bahêa Minha Vida, de Márcio Cavalcante, Jardim das Folhas Sagradas, de Pola Ribeiro e Capitães da Areia, de Cecília Amado. Ressaltou ainda o fato que não somente estes filmes estavam em cartaz simultaneamente, algo de importância histórica, como também, todos eles estavam tendo excelente receptividade de público. Citou os números mais recentes de Bahêa Minha Vida (72 mil), Capitães de Areia (150 mil), Filhos de João (17 mil) e Jardins (que em apenas um final de semana chegou a 3.300 espectadores).

O governador interveio perguntando o que significavam estes números? Qual era seu comparativo e relevância?

Houve então várias pequenas intervenções de Jorge, Sylvia, Edgard, João e Olavo, expressando dados e informações que ressaltavam a importância desses números, levando em conta a média de público dos filmes nacionais. Falou-se em casos como Tropa de Elite, Dois Filhos de Francisco etc, filmes que ultrapassaram 1 milhão de espectadores, mas estes são exceções no cinema nacional.

João falou do êxito de Filhos de João, de Henrique Dantas, que continua circulando nas salas comerciais do Brasil e já percorreu vários países do mundo, tendo na semana passada estado em Barcelona e esta semana estava sendo exibido em Berlim. Isso era importante porque era a música e a cultura baiana que estavam sendo vistas no mundo.

Jorge falou que nos últimos 10 anos a Bahia produziu 32 filmes e destes, muitos estão a espera de uma distribuição digna. E nós gostaríamos que o governador elegesse o cinema, como uma das prioridades estratégicas do seu governo.

Wagner respondeu que uma das prioridades estratégicas do seu governo é a cultura, e que evidentemente cada segmento da cultura busca atrair mais recursos para sua área, todos querem mais dinheiro, porém, ocorre que o cobertor é curto: “puxa de um lado, falta de outro”. Mas reconhece que o cinema tem suas particularidades, pois realmente é caro fazer cinema. Criticou as leis de incentivo, afirmando que os empresários precisam botar dinheiro próprio na cultura e não ficar apenas se valendo da renúncia fiscal.

Após esse preâmbulo, foi lida por Olavo a Carta/Documento que a APC elaborou para ser entregue ao Governador (reproduzida ao final do Relatório).

Logo após a leitura da carta, o governador perguntou sobre quais as empresas que estão promovendo editais para cinema e se estes eram nacionais ou estaduais.

Sylvia falou sobre os editais e os apoios das empresas nacionais. Citou a Petrobras, dizendo ser a maior patrocinadora do cinema no Brasil, e que tem um edital nacional. Falou também da Chesf que não investe praticamente nada na cultura da Bahia e foi complementada por Olavo que disse que a Chesf embora gerisse grandes recursos hídricos na Bahia, praticamente somente investe em projetos culturais de Pernambuco. Sylvia falou também dos Editais do BNDES / Eletrobras etc. Jorge complementou dizendo que este momento vigoroso do cinema nacional, também está relacionado com a ação do Minc a partir da gestão Gil/Juca, que potencializou os Editais BO de apoio ao cinema e a descentralização dos recursos, abrangendo o Nordeste, principalmente Pernambuco, Bahia e Ceará. Na Bahia, esperávamos que esta tendência também se estabelecesse, com a consolidação e continuidade dos Editais anuais, e não foi isso que ocorreu. O Governo Wagner tem o Fundo de Cultura, FazCultura muito mais complementando os nossos filmes que já foram contemplados em editais nacionais.

Wagner perguntou quanto seu governo investiu em cinema.

Sylvia informou os valores do investimento do governo baiano desde 2007. Ao que Jorge entregou ao governador uma tabela preparada por Sylvia, que sistematizava esses dados por ano de investimento em filmes longa metragem: 2007 (R$ 1.537.992,03); 2008 (R$ 000,0000); 2009 (R$ 1.971.988,47); 2010 (R$ 1.579.136,36); 2011 (855.000,00). A seguir, Jorge falou da importância do Polo de Camaçari, chamado por ele de “a nossa Paulínia”, investir no cinema baiano e clamou o governador para abrir mais esta frente de captação de recursos.

Wagner fez algumas somas dos valores apresentados, enquanto Albino e Sofia intervieram com alguns outros dados. O governador tomou a palavra, e se dirigindo a Albino, disse que evidentemente qualquer decisão que ele venha a tomar será encaminhada junto com a SECULT, mas o que ele pensava, destacando os Editais como ponto central das nossas reivindicações explicitadas na Carta, era que poderia haver um processo de Edital, que assegurasse sua realização anual, por um período de tempo maior, por exemplo, 4 anos. Assim as produtoras e proponentes poderiam se planejar melhor. Isso precisaria ser melhor analisado, mas ele achava que essa forma facilitaria mais a realização dos Editais.

Jorge falou que os realizadores também precisam de um tempo mais longo para a concretização de seus filmes. E que muitas vezes um governo colhe um fruto que um outro governo plantou. Também falou sobre a Caixa 100 anos de cinema na Bahia, uma iniciativa importante, mas que poderia ter tido uma maior difusão e repercussão. Albino respondeu que a caixa foi uma iniciativa boa, no que foi reforçado por Sofia, dizendo que a Caixa foi distribuída para mais de 1.000 instituições (pontos de cultura e cineclubes etc.)

Wagner, mais uma vez se referindo à nossa Carta, disse que algumas coisas poderiam ser melhor ajustadas, se, por exemplo, toda a parte de divulgação dos filmes fosse para a Secretaria de Comunicação, com a utilização da verba de publicidade do governo. Jorge respondeu que considerava isso muito complicado, pois poderia alterar o equilíbrio de um Plano de Trabalho da produção de um filme, que tem suas regras e caminhos próprios, com tempos e formas especificas de conduzir seus projetos.

Edgard interveio falando sobre a importância deste encontro com o governador, recordando que em 1996 um grupo de cinco cineastas, entre os quais ele estava presente, tiveram uma audiência com o governador Paulo Souto e aquele encontro também teve um significado simbólico muito grande para o cinema baiano. Disse também que o filme Eu me Lembro, foi projeto de grande envergadura no cinema baiano, porquanto mais de 300 pessoas se envolveram diretamente com a produção. Este filme obteve várias capas dos cadernos de cultura dos jornais do Sul (FSP, O Globo, Estadão etc), quanto vale tudo isso? São coisas que ficam para a história. Enfatizou que essa prática cinematográfica na Bahia não pode sofrer descontinuidade. Destacou o quanto seria bom a presença do governador nos lançamentos dos filmes baianos e revelou que durante a pré-estreia de O homem que não dormia, no TCA lotado, ele cobrou a presença do governador, que não estava.

Wagner, disse que muitas vezes tem dificuldades de agenda e há todo uma logística a considerar quando se trata da presença do governador. Ele pessoalmente gosta de andar em ambiente público, e faz isso com frequência, mais até no interior do que na capital, mas que muitas vezes não pode estar onde gostaria. Considerou importante a presença do governador nestes momentos de pré-estreia, pois reafirmava o valor simbólico do cinema baiano para a população, mas que muitas vezes não dava pra ir...

Neste momento Jorge interveio e disse: “Então faça como o presidente Lula, traga o cinema baiano para dentro do seu gabinete. Vamos programar sessões de filmes em sua sala”. O governador sorriu com a sugestão.

João citou uma pesquisa realizada pela CNN, que apontou o Porto da Barra, como uma das mais belas praias do mundo. O seu filme Trampolins do Forte foi filmado basicamente no Porto da Barra. Isso aponta o potencial que tem o cinema de difundir mundo afora aspectos positivos da Bahia. Essa questão deveria interessar à Secretaria de Turismo. Aproveitando a deixa, Sylvia falou sobre a importância de conseguirmos que as companhias de aviação pudessem exibir nossos filmes durante os voos e lembrou que a AIR FRANCE já exibiu o filme Esses Moços, de Araripe, quando da existência da linha direta Salvador/Paris. No vôo da TAP Lisboa/Salvador, completou Jorge, bem que poderia ser disponibilizados nossos filmes no menu. E sugeriu uma Ação inicial de resolver os problemas de algumas produções que estão precisando de 200, 300, 500 mil para serem lançadas. E citou Pau Brasil, de Fernando Belens, Antonio Conselheiro, de Walter Lima, entre outros.

Wagner disse que poderíamos escolher 4 a 5 itens indicados no documento, independente do aspecto financeiro e os eleger como prioridades para serem resolvidos pelo governo. Chamando novamente a participação de Albino que pouco antes da reunião lhe falou do PEF (Programa Imagens da Bahia) convênio que foi celebrado entre o Irdeb e a Ancine, e está aguardando a captação de recursos nas empresas privadas, ele disse que não vê problema em ligar para as empresas e abrir o processo de captação. Sobre a solicitação de intermediação entre as secretarias citadas (Planejamento, Turismo, Industria e Comércio, Educação etc) disse que não vê dificuldade alguma em viabilizar isso e lembrou que o Secretario de Planejamento é irmão de um cineasta (Pola Ribeiro), e disse que também Leonelli (Turismo) era próximo dá gente... Falou também que não há problema em ligar para as companhias de aviação, como TAP e American Airlines, para negociar a exibição de filmes baianos. E citou também a importância de se constituir e consolidar um circuito de exibição de filmes no interior, aproveitando a estrutura do governo. E até mesmo nas praças esses filmes poderiam serem exibidos. Albino disse que isto já se faz presente nos centros e pontos de cultura do interior. Jorge disse que isso era importante, mas que se deveria levar em conta a qualidade de projeção dos filmes, que não poderia ser exibidos com qualidade baixa, como é feito atualmente. Centros Culturais como o João Gilberto, em Juazeiro, assim com o de Itabuna, e até mesmo em praça pública podemos fazer projeções de alta qualidade, de imagem e de som.

Buscando evitar a discussão de aspectos técnicos, os quais confessou que não tinha conhecimento, o governador reafirmou que deveria ser selecionados 4 a 5 propostas e definir quem as encaminharia, “quem faz o quê”. Ressaltou acreditar ser importante o estabelecimento de um prazo para o encaminhamento das questões.

Provocado por Olavo: “então o Senhor é simpático aos Editais?” Wagner respondeu que o Edital é o melhor processo de encaminhar as demandas que vem da sociedade. Disse que o governo já faz isso em muitas outras áreas e ele não vê problemas em se adotar para o cinema.

Jorge, falando sobre o somatório de nossas produções e a existência de editais, declarou que no governo Wagner somente houve dois editais, e a seguir, fez uma analogia com a construção do metrô, cujo planejamento atual é, até 2014, ano da copa, construir o dobro do que foi construído até agora: “Queremos o mesmo para o cinema, até 2014, o dobro de filmes longa metragens, que até então já produzimos”.

Por fim o governador disse que deveríamos formar um grupo para estudar e definir as prioridades do cinema baiano, definir um prazo para seus encaminhamentos e lhe entregar. E peremptório declarou:

“Eu sou disciplinado, alguém deve chegar pra mim e dizer: sua parte é esta, você tem que fazer isso. Vamos definir um prazo e vocês podem cobrar; nem sempre estou disponível, mas se tiver algum projeto encalhado, liguem cobrando que vamos desencalhar; liguem pra minha secretária Regina Afonso, falem com ela”. (grifos do relator)

Albino concordou em criar um grupo de trabalho com integrantes da APC e da Secult para estudar as propostas prioritárias sobre o cinema baiano e posteriormente entregá-las ao governador.

Por fim, o governador deu por encerrada a reunião.
Na saída do prédio da governadoria, os cinco representantes da APCBahia, em breve conversa, consideraram muita positiva a reunião.

Forte abraço a todos.
Olavo

7 comentários:

Anônimo disse...

Caro André Setaro, muito obrigado pela publicação no seu blog da carta da APC e do relatório.
Na audiência com JW ficou explícita a possibilidade de uma ação meritocrática do Governo ainda nesse ano para "desencalhar" os filmes prontos ou à espera de finalização. Isso, antes dos editais anuais a partir de 2012.

Podemos não ser tão talentosos como a geração do Cinema Novo, mas “ninguém nos vence em vibração.”
Abraços cinematográficos
Jorge Alfredo

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Não custa tentar, mas não enxergo nenhuma sensibilidade artística no senhor Jaques Wagner.

O Falcão Maltês

Jonga Olivieri disse...

U, esforço assim é louvável. Pode ser que o cinema baiano consiga voltgar à velha forma! Torçamos...

Anônimo disse...

É patético o entusiasmo juvenil de Jorge-Claudia, nesse estado febril, ele esquece que os que hoje posam de cineastas, mas não sabem fazer cinema. Simples assim.

Anônimo disse...

Desse mato não sai coelho nem a pau.

Jonga Olivieri disse...

Gente, político é assim mesmo!
Ainda mais eu que não acredito que o PT seja de esquerda,mas sim de centro direita!
Olha aqui, político é pra ser usado da mesma forma que eles nos usam (ou usam vocês, porque eu sempre anulo meu voto).
Tem-se que fazer este jogo para levantar verbas, para conseguir algum financiamento.
Quando eu escreevi aqui: (...) Pode ser que o cinema baiano consiga voltgar à velha forma!...", é porque daí é que sai "algum". Desses filhos da puta é que pode vir alguma coisa!
O resto é o resto...

Anônimo disse...

E o choque de gestão no audiovisual dado por Póla e suas polletes nestes 4 anos, será que também virou choque imaterial? Ê que irmão de político pode tudo, até ser cineasta "gestor".

maria