Seguidores

15 março 2009

Necessidade de Bergman

Ingmar Bergman, quando, em 1982, realizou Fanny e Alexander (Fanny och Alexander) tinha em mente ser este o seu último filme, pretendendo, após o seu término, aposentar-se ou, no máximo, escrever alguns roteiros ou dirigir peças no proscênio de Estocolmo. Apesar de ainda forte e com disposição, com 64 anos, não cumpriu o prometido, ainda que um filme que lhe é posterior, Depois do ensaio, tenha sido exibido nos cinemas do mundo inteiro, mas, na verdade, foi feito apenas para a televisão. Mas, há poucos anos, já velho, dirigiu um outro filme. O fato é que o que seria o derradeiro opus bergmaniano, a considerar Fanny och Alexander, é uma obra-prima, uma síntese perfeita de sua obra, uma película deslumbrante, valendo, aqui, a adjetivação. Visto no Art 2, em 1984, Fanny e Alexander desapareceu das salas exibidoras e foi se esconder numa fita magnética distribuída pela Breno Rossi, que é um verdadeiro atentado à integridade da obra bergmaniana, pois pessimamente telecinada. Mas, agora, com o DVD distribuído pela Europa (distribuidora não muito confiável, pois matou Menina de ouro com a abominável tela cheia, mas que, aqui, respeita Bergman e sua luz pontecostal), os admiradores de Bergman têm a oportunidade de, vinte e sete anos depois, rever o filme na sua inteireza original em cópia luminosa. A fotografia é de um artista: Sven Nykvist. Um fecho de ouro para um dos maiores cineastas-pensadores do século passado.

Originariamente feito como minissérie para a televisão sueca, Fanny e Alexander, devido ao grande êxito, despertou em Bergman a vontade de montar uma versão para cinema e, com isso, declarou que este seria a sua despedida do cinema. Na telinha, o filme tem mais de cinco horas, dividido em episódios. Olhando aqui a capa do DVD, vejo que o disco tem 175 minutos, quase, portanto, três horas. A montagem foi feita pelo próprio Bergman tendo em vista uma continuidade dramática eficaz e a preocupação de tapar os buracos por causa da duração televisiva. Nada a comparar com o estilhaçamento feito por Guel Arraes em Auto da Compadecida, que, na versão para o cinema, não deixou espaço, nos cortes, para o espectador contemplar, pois rápidos, movidos por uma compulsão de videoclip, no embalo da estética da tesourinha.

É impressionante a reconstituição da época – a ação se passa em 1907, como também a perfeição dos intérpretes, todos afinados, todos perfeitos, todos dotados daquele necessário – e sem o qual o filme não funcionaria – poder da verdade. Bergman se utiliza do enquadramento como fonte de reflexão, não se importando com o corte em movimento. O que importa é, por assim dizer, uma substancialização do que está sendo dito e do que está sendo mostrado e nunca uma adjetivação da obra como sintaxe, ainda que esta exista nas transições. A grande casa aonde se festeja o Natal, sequência primorosa e que leva uma hora, como fizera Visconti com a seqüência do baile em O leopardo, faz lembrar, talvez pela acentuação da cor vermelha, Gritos e sussurros.

Esta desvinculação do discurso cinematográfico no qual a sintaxe adquire um status mais nobre – Persona, A hora do lobo, etc – em função de uma narrativa dentro de uma linha dramática mais convencional – o que não quer dizer nada nem diminui o mérito dessa obra de arte – revela o Bergman da maturidade, do ocaso, da despedida, fazendo de Fanny e Alexander o seu canto de cisne. Cineasta que encantou o século XX, introduzindo, inclusive, em Morangos silvestres, o monólogo interior, Bergman é um mestre supremo cuja falta nestes bicudos tempos e nesta fajuta contemporaneidade é imensa. Falta, no cinema, um homem de seu gênio, atualmente, para pensar o homem contemporâneo.

6 comentários:

Jonga Olivieri disse...

Tenho me deparado com a mesma questão. Ou seja: os gênios se vão. Mas quem os substitui? Ou pelo menos tenta fazê-lo...
Vivemos tempos em que a mediocridade da comunicação caiu em níveis assustadores.
Não é uma questão de que vai-se um Bergman e surge outro. Isto seria impossível. Mas o próprio cineasta sueco foi consequência de outros realizadores que o antecederam e ao qual tentou dar uma continuidade.
Infelizmente não é assim que vem acontecendo nos tempos 'bicudos' em que vivemos.

Saymon Nascimento disse...

A Versátil lança ainda esse ano a edição com cinco horas de Fanny e Alexander, como fez com Cenas de um Casamento - que só conheço na versão minissérie.

André Setaro disse...

Soube também que a Versátil está lançando uma edição de colecionador de 'La dolce vita'

Mario Pestana disse...

Procurando identificar um filme, vou me valer da cultura cinmatografica do Andre Setaro e frequentadores desse excelente site: Ha uma cena final onde (de Niro? Christopher Walken ?) chega de canoa, em roupas de cacador, a uma cidadezinha onde se fala um dialeto Frances (creole? cajun? Lousiana?). Seria interessante localizar.

André Setaro disse...

Não seria 'O franco atirador' ('The deed hunter, 1979), de Michael Cimino, com Robert De Niro, Chistopher Walker, Meryl Streep, John Savage?

Mario Pestana disse...

Caro Setaro, muito obrigado pela sua pronta resposta. Vou alugar o filme este fim de semana e ver a muito curiosa cena.