Seguidores

24 agosto 2007

O DVD como milagre e como graça


Quem nasceu antes do advento da fita magnética ou do DVD, ter, com você, em sua posse, um filme como O martírio de Joana D'Arc (La passion de Jeanne D'Arc, 1928), de Carl Theodor Dreyer, uma das obras-primas de toda a história do cinema, parece mentira. Mas é verdade. Tenho-o comigo, e a capa do DVD, com ele dentro, está aqui, à minha vista, ao lado do meu computador. La passion de Jeanne D'Arc, que passei anos, décadas, de ouvir falar e ler. Lembro-me que a falecida revista Filme/Cultura, em 1968, se não me engano, fez pesquisa com os principais críticos de cinema do Brasil para saber quais os 20 maiores da história. Walter da Silveira, que viria a morrer dois anos depois, em novembro de 1970 (e pensar que morreu mais moço do que eu, aos 55, eu que o via e o tinha como um senhor circunspecto e grave -vou fazer 57), consultado, mandou a sua lista e o primeiro lugar estava com La passion de Jeanne D'Arc, que, certa ocasião, passei uma tarde ouvindo-o falar sobre o filme. Como poderia vê-lo, perguntei constrangido. Ele me respondeu que teria que ir a São Paulo, à Cinemateca Brasileira, que possuia uma cópia. Mas se não estivesse programado?

O fato é que o DVD é um milagre, e milagre dos peixes, da multiplicação.

5 comentários:

Stela Almeida disse...

Preciosiades acontecem, nem sempre para todos os mortais. Que fazemos nós os leitores? Ficamos apenas contemplando os achados comentados ou há possibilidade de ter o privilégio de também conhecer O martírio de Joana D'Arc em DVD? É uma pergunta constrangida também, mas já que estou aqui, tomei coragem e ousei perguntar.

Jonga Olivieri disse...

É realmente incrível dispor de tudo isso.
Lembra-se? Antigamente a gente levava anos para conseguir assistirr um filme.
"Limite", fui ver já adulto no Museu de Belas-Artes aqui no Rio.
Eu quase chorava de emoção ao ver as primeiras cenas. Afinal, quantos anos ouvindo falar daquele filme... e nada de ter uma chance.
Quanto ao aspecto do Walter da Silveira: naqueles tempos, um sujeito com mais de 40 já parecia um velho. Era a forma de se vestir, cortar o cabelo, se comportar, etc. Além disso, como a espectativa de vida era menor, a gente achava que um gajo qualquer com 40 era um "coroa".

João Caçapava disse...

O DVD É realmente maravilhoso..com todos aqueles extras, making ofs, entrevistas...são milagres.Tava vendo seu texto embaixo sobre o TELECINE - É realmente terrivel o que eles estão fazendo com o filme.Já bastam terem matado o TClassic...eu reclamei já, duas vezes e me explicaram que colocando a alcunha "cult" - eles podem colocar numero maior de "classicos atuais" - sendo até filmes indepedentes,europeus, etc...que não se encaixavam em outro canal da programadora. Pelo menos deviam tirar aquele "telecine pipoca" - pq este sim é desperdicio total de tempo...queria cancelar tambem Setaro, mas como se não há outro canal?Se não não há outra alternativa?É tudo sinistro, triste....e milagres custam caro: Seja para alugar ou para comprar.Vou acabar ficando com o gatinho estupido.
Veja meu blo, escrevi ontem algo semelhante a isso. Estou vivendo uma novela com a Sky.
abraços.

André Setaro disse...

Mas Stela, justamente por isso, o DVD de 'O martírio de Joana D'Arc' está no mercado brasileiro e pode ser encontrado nas melhores locadoras. Aqui em Salvador, por exemplo, pode ser locado na Casa de Cinema, que fica à rua Odilon Santos, no bairro boêmio do Rio Vermelho. Comprar também é possível através da internet.

Nelito disse...

Com certeza, Setaro. Vale lembrar que o filme traz também a oportunidade de ver Antonin Artaud, ums dos gênios do teatro no século XX, em atuação.