Seguidores

28 junho 2006

"ELETRODOMÉSTICA" NO EXTERIOR


Com exceção, talvez, de A ilha das flores, de Jorge Furtado, não tenho conhecimento de um curta tão premiado como Eletrodoméstica, de Kleber Mendonça Filho, que, apenas neste mês de junho, ganhou 6 prêmios no Brasil e no exterior, além de estar pré-selecionado para o Oscar 2007. Mais: por estes dias está sendo exibido em Karlovy Vary, na República Tcheca.

Kleber, a julgar por Vinil Verde, e, principalmente, Eletrodoméstica, é um dos raros exemplos de um excelente crítico e excelente cineasta, pondo por terra a máxima de que "todo crítico é um cineasta frustado". Eletrodoméstica tem um rigor de mise en scène que atesta não apenas um conhecimento da estética cinematográfica, mas talento e intuição para a sua expressão nas imagens em movimento. O lance final, da mulher em orgasmo em cima da máquina de lavar, leva, a um mesmo tempo, a Robert Bresson e a David Cronenberg (Crash). Mas a estrutura narrativa faz pensar, também, em Hitchcock.

Quando comecei a navegar pela internet, o primeiro site que conheci foi o Cinemascópio (
http://cf.uol.com.br/cinemascopio/), que Kleber Mendonça Filho sustenta sozinho há mais de cinco anos, com garra, inteligência e dedicação. Ele escreve também no Jornal do Comércio, de Recife, cidade onde mora. A seguir, algumas informações sobre o sucesso dos curtas kleberianos.

O curta-metragem Eletrodoméstica (35mm, 22'), de Kleber Mendonça Filho, recebeu seis prêmios no Brasil e exterior neste mês de junho. O filme foi produzido pelo CinemaScópio com recursos do Ministério da Cultura (Secretaria do Audiovisual) e Funcultura - Fundo de Incentivo a Cultura do Governo de PE. Eletrodoméstica já teve passagens pelos festivais de Clermont Ferrand (França) e Roterdã (Holanda) no início do ano.No início de junho, na Alemanha, no 22. Internationales Kurz Film Festival Hamburg (Festival Internacional de Curtas de Hamburgo), um dos mais importantes da Europa, Eletrodoméstica ganhou o Prêmio Especial do Júri, dividido com o filme francês A Bras Le Corps (que esteve na Quinzena dos Realizadores, em Cannes 2005, ao lado de Vinil Verde, filme anterior de Kleber Mendonça Filho). No 34o. Festival de Cine de Huesca, na Espanha, o filme venceu o Prêmio Danzante 2006, prêmio máximo do festival espanhol, com foco em cinema ibero-americano. Por ser um festival credenciado junto a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, o filme vencedor em Huesca é automaticamente selecionado para um grupo de curtas metragens que poderão ser considerados para uma indicação ao Oscar. Eletrodoméstica já faz parte deste grupo. No Rio de Janeiro, o Canal Brasil da Globosat promoveu o primeiro Grande Prêmio Canal Brasil com nove filmes adquiridos pelo Canal, ao longo do último ano. Eletrodoméstica foi o filme escolhido vencedor por um júri formado por atores, cineastas e críticos de cinema. Por último, no 29o. Guarnicê de Cine e Vídeo do Maranhão, findo dia 20 de junho, o filme levou três troféus guarnicê nas categorias Melhor Ficção, Melhor Atriz (Magdale Alves, cujo trabalho no também pernambucano Rapsódia Para Um Homem Comum, de Camilo Cavalcante, também foi lembrado pelo júri) e Melhor Trilha Original (para a banda pernambucana Paulo Francis Vai Pro Céu, com a música Eu Queria Morar em Beverly Hills, tema de Eletrodoméstica).
KARLOVY VARY - O filme exibe esta semana no 41o. Festival Internacional de Karlovy Vary, na República Tcheca, na mostra não competitiva Forum of Independents, composta por dez curtas de todo o mundo. Karlovy Vary é um festival querido para o cinema brasileiro e considerado um dos berços do Cinema Novo, nos anos 60. A próxima parada de Eletrodoméstica será no Festival Internacional de Curtas de Belo Horizonte, no final de julho. Vinil Verde será exibido no Moma em Julho Vinil Verde será exibido no Museu de Arte Moderna de Nova York - Moma dentro da programação especial Premiere Brazil, uma parceria entre o Moma e o Festival do Rio. O filme será projetado nos dias 13 e 22 de julho com o longa Crime Delicado, de Beto Brant. Com as projeções no Moma, Vinil Verde começa a encerrar sua carreira internacional de festivais e mostras, que levaram o filme a Cannes (Quinzena dos Realizadores, Tampere - Finlândia, Brief Encounters - Inglaterra), numa trajetória de 20 prêmios nacionais e internacionais.

7 comentários:

Mario Gordilho disse...

Olha Setaro, sua coluna e' de uma importacia fenomenal. Nao tomo uma decisao abalizada antes de consulta-la.

Amanda Luz disse...

Setaro, que bom vê-lo de volta ao blog!

Obs: vi que vai novamente dar a optativa "Cinema Internacional". fiquei arrasada, pq não estarei em Salvador este semestre...

bjo e seja novamente bem-vindo!

Franciel disse...

Setaro, vi no Canal Brasil uma entrevista de Kleber Mendonça na qual ele conta que o Eletrodomésticas, que é da época do plano real, foi rejeitado não sei quantas vezes. Muito mais do que as que Pedro negou Cristo.

Mas, isso não importa.

O que constrange a Bahia neste inconsequente e interminável inverno é o fechamento do glorioso Buteco do Setaro.

Que sacanagem é esta?

Soterópolis, tão mesquinha em espaços para a convivência etílica, não suporta mais esta perda irreparável.

Sei que os custos estão, como diria os locutores de antanho, "os olhos da cara" e etc e tal, mas comprometo-me a liderar uma campanha para que cada frequentador do Buteco do Setaro apresente um novo cliente e contribua para a necessária auferição dos lucros que ajudem o estabelecimento a prestar os excelentes serviços de sempre.

Sem mais,

despeço-me atenciosamente.

sora disse...

Mas logo agora


quando ele resistiu bravamente a mais de um mês de abandono por parte do proprietário?
quando o inverno nos faz ainda mais lerdos?
injustiça!!!


Colé Professor, não podemos perder o domeq de cada dia.

Bandeiras negras rumo ao Apipema ja!
abraços


Sora

sora disse...

Ah,

apóstomos cinemáticos:


Magdali, a atriz do curta, foi diretora efetiva da montagem baiana de A Ver ESTRELAS, musical muito sensacional de Jão Falcão, onde ele descobriu Vladimir Brichta, João Miguel e seus amigos Lázaro Ramos e Wagner Moura.

Franchico disse...

Eu queria morar em Beverly Hills, tema de Eletrodoméstica, ficou "famosa" na regravação do bardo punk brega gaúcho Wander Wildner. Só pela música já fiquei com vontade de ver esse filme.

Julio Gomes disse...

Oi Setaro!!!

Que bom vê-lo de volta ao batente blogueiro!!! Sim, concordo plenamente: Kleber Mendonça, além de ser um excelente crítico, é cineasta de mão cheia. Eletrodoméstica é inteligente, ferino, divertidíssimo e, assim como "Vinil Verde" e "Menina do Algodão", seus curtas anteriores, uma fábula inventiva e perversa. Nessa cenário de secura de bons filmes brasileiros por que atravessamos, esses curtas são mais que bem-vindos. E já viu "Um Filme Falado", de Manoel de Oliveira? Não sei se você sabe, mas a Casa de Cinema incrementou seu acervo com alguns filmes portugueses. Entre eles estão "Non ou a Vã Glória de Mandar", também de Oliveira, e "Recordações da Casa Amarela", de João César Monteiro, ambos ineditos por estas terras e elogiadíssimos pela crítica menos desinformada. Grande abraço!